Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Veja o vídeo e Registre-se na 1000EXPERT



calendário

Março 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


Pesquisar

 



Links

Ministério da Saúde

Medicina Dentária no Moçambique

Blogs do Moçambique


subscrever feeds





Você pode viver melhor sem ronco

Quarta-feira, 06.04.11


Conheça melhor o tratamento odontológico do ronco e apneia.

 

 

 

Salva casamentos e é mais simples do que você imagina.

Desde a década de 1930 diversos tipos de aparelhos intraorais tem sido utilizados para tratamento do ronco e da apneia. Os dispositivos intraorais tem várias vantagens: cabem dentro da boca, não usam eletricidade ou fazem qualquer barulho que aborreça o parceiro e dorme-se em qualquer posição.

Hoje, a American Academy of Sleep Medicine recomenda os dispositivos intraorais de alta tecnologia, como “linha de frente” no tratamento do ronco e da apneia do sono. Além disso, esses dispositivos se destacam como uma excelente solução nos casos em que cirurgias não tenham tido resultado, onde os CPAPs não tenham sido bem tolerados ou onde se deseje reduzir a pressão titulada nos tratamentos feitos com estes equipamentos.

Desde 1998, Dra. Andréa representa com exclusividade a Erkodent no Brasil, uma multinacional alemã com foco em placas intraorais de alta precisão, e oferece um tratamento multidisciplinar para ronco e apneia com o dispositivo de avanço mandibular Apnea-RoncoStop - um dos poucos aparelhos aprovados pelo FDA. É impressionante, mas, a simples abertura das vias respiratórias criada pelo uso noturno deste moderno aparelho intraoral, ergonômico e biocompatível, produzido com termoplásticos de ultima geração (isento de acrílico e metais), resolve o problema.

Neste tipo de tratamento a mandíbula é mantida em posição avançada por duas hastes móveis que trabalham sob eixos que são fixados nas laterais das placas intraorais, gera espaço, e assim a velocidade do ar inspirado decresce, elimina as vibrações geradoras de ruídos dos tecidos moles e reduz significativamente o número de episódios de apneia obstrutiva. Dra. Andréa alerta que a apnéia, quando não tratada, pode ser considerada uma doença grave que pode causar além da queda de qualidade de vida proveniente da sonolência diurna excessiva* e da má qualidade do sono, temos o percentual de risco aumentado em problemas cardíacos como pressão alta, batimento cardíaco irregular e infarto do miocárdio, e até impotência.

Estudos científicos indicam que alguns dispositivos intraorais funcionam bem em 95% dos casos de ronco e apneia leve a moderada e em 30% de apnéia severa. Nos EUA, mais de 50.000 clínicas e consultórios odontológicos prescrevem o Apnea-RoncoStop (SilentNite) por ser ele eficaz e muito bem aceito pelos pacientes devido ao extremo conforto que oferece. Com ele o paciente pode até beber água e conversar! Por todos esses atributos e recomendações, o Apnea-RoncoStop é o aparelho personalizado mais vendido no mundo.

*Estima-se que, no Brasil, de 27% a 32% dos acidentes de trânsito e de 17% a 19% dos mortos no trânsito são provocados por cochilos dos condutores enquanto dirigem.

Dra. Andréa Johnson, dona da marca Clínica do Ronco®, é membro da Associação Brasileira do Sono e atua no tratamento do ronco e da apneia há mais de 12 anos.

 

"Para ter uma boa saúde geral, visite seu Médico Dentista regularmente"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estudo associa bruxismo à dificuldades respiratórias

Segunda-feira, 31.01.11

"Notícias de um Congresso de Odontologia que foi realizado em São Paulo no Brasil"

 

“Tem bruxismo? Isso é stress”. Quem convive com o problema de apertar e ranger os dentes enquanto dorme já ouviu esta frase, pelo menos, uma vez na vida. Depois de dez anos de estudos, um grupo de pesquisadores em dor orofacial, bruxismo e desordens do sono da PUC do Rio Grande do Sul, comandado pelo cirurgião-dentista Márcio Lima Grossi, começa a dar uma nova abordagem ao problema, na qual o stress deixa de ser o vilão do bruxismo para tornar-se apenas um coadjuvante. Para estes estudiosos, o bruxismo está associado à dificuldade de se respirar durante o sono leve – estágio anterior ao sono profundo.

 

O trabalho científico publicado no The International Journal of Prosthodontics, órgão oficial do Colégio Internacional de Protesistas, será apresentado pelo professor Márcio Grossi pela primeira vez no Brasil às 15 horas do domingo (30) no Congresso Internacional de Odontologia do Centenário, promovido pela APCD – Associação Paulista dos Cirurgiões-Dentistas, no Expo Center Norte, São Paulo.

 

A pesquisa demonstrou que o uso de um dispositivo de avanço mandibular (conhecido por “placa de ronco”) durante 30 dias melhorou significativamente o bruxismo de 27 dos 28 pacientes estudados. Dos pesquisados, 13 eram mulheres e 15 homens, entre 12 e 42 anos. “O bruxismo e a apneia têm relação à dificuldade da passagem do ar. Imagine uma freeway. No bruxismo, todos os carros passam com uma velocidade menor. Na hipopnéia, só 50% dos carros passam; e na apnéia, nenhum carro passa”, explica o cirurgião-dentista Márcio Lima Grossi, mestre pela Universidade de Michigan, doutor pela Universidade de Toronto e membro da Associação Gaúcha do Sono, ligada à Sociedade Brasileira do Sono.


Distúrbios do sono

 

O primeiro estudioso do sono a descobrir a função do bruxismo para a respiração foi o cirurgião-dentista franco-canadense Gilles Lavigne, Professor Titular e Diretor da Faculdade de Odontologia da Universidade de Montreal, autor do primeiro livro no mundo sobre as desordens do sono para cirurgiões-dentistas – “Sleep Medicine for Dentists: A Practical Overview”.

 

Segundo Lavigne, quando uma pessoa está acordada, a cabeça fica na posição ereta e a mandíbula na horizontal. Quando dorme, a cabeça fica na horizontal. A mandíbula fica na vertical e cai para trás. O bruxismo faz parte de um mecanismo de acordar/despertar, em geral no estágio do sono leve – quando a necessidade de oxigênio é maior do que no sono profundo. Sua função é manter a passagem das vias aéreas e a lubrificação da cavidade oral.

 

“Neste processo, a mandíbula é projetada à frente pelos músculos da região até os dentes entrarem em contato. A musculatura fica tensa para evitar que a mandíbula volte a cair para trás. É neste momento que a pessoa range e/ou aperta os dente. Esse mecanismo evita que a mandíbula volte a cair para trás, o que reduziria novamente a passagem do ar na região do orofaringe – que fica atrás do nariz e da boca”, ensina Grossi.

 

O bruxismo normal ou fisiológico não provoca sintomas. Já o patológico ocorre em pessoas com dificuldade de entrar em sono profundo. “Quem fica muito tempo no sono leve pode ter até 40 minutos de bruxismo por noite. De manhã, tende a apresentar sensibilidade nos dentes da frente, dores de cabeça, na face e na articulação logo à frente dos ouvidos (articulação têmporo-mandibular). A longo prazo, corre o risco de ter desgaste excessivo dos dentes e o aumento do tamanho dos músculos da face”, diz o professor da PUC-RS. O bruxismo pode acontecer com o indivíduo acordado, e sua etiologia é diferente do bruxismo do sono, e normalmente não possui sintomas. É apenas um hábito adquirido que precisa ser mudado.

 

Vários fatores contribuem para retardar o sono profundo: sobrepeso, mandíbula muito pequena, úvula e/ou amídala grandes, consumo de álcool e drogas, predisposição genética, baixa produção de saliva, alimentação pesada antes de dormir, stress e luminosidade ou barulho no quarto que perturbem o sono, entre outros.

 

O tratamento clássico do bruxismo pode ser feito por meio de placas para proteger dentes e relaxar os músculos, as “placas de bruxismo”. Os dispositivos de avanço mandibular ou “placas de ronco” eram originalmente usadas por pessoas com dificuldades de passagem de ar ao dormir (apneia/hipoapneia), mas estas placas agora mostraram no estudo também reduzir significativamente o bruxismo do sono. “O bruxismo do sono pode ocorrer sem apnéia/hipopnéia. Mas se elas ocorrerem, haverá necessariamente o bruxismo”, conclui Grossi.

 

Ele adverte que nem todos os casos de bruxismo do sono podem ser tratados por cirurgiões-dentistas.

 

“Se a pessoa tem problemas de bruxismo, ronco e apnéia, precisa procurar um laboratório do sono e ser avaliada por uma equipe médica, que vai fazer o diagnóstico de apnéia/hipopnéia ou outros distúrbios do sono. O tratamento então é multidisciplinar”, afirma.

"Para ter uma boa saúde geral, visite seu Médico Dentista regularmente"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Repiração Bucal

Sexta-feira, 23.04.10

Respiração bucal e as principais alteraçoes intra-orais.
 
 
 
 
As principais alterações intra-orais que observamos em decorrência da respiração bucal são o céu da boca alto e estreito, as mordidas cruzadas (quando os dentes de cima encaixam por dentro dos de baixo) e as mordidas abertas (quando os dentes de frente não se tocam, ficando um espaço entre eles). O respirador bucal também apresenta modificações no aspecto facial: nariz estreito, narinas afiladas, lábio superior curto, boca entreaberta, rosto mais alongado e olheiras acentadas. Também pode apresentar baixo rendimento escolar, ser irrequieto, sonolento, roncar e babar à noite, além de poder apresentar apnéia do sono ainda na infância. Isso se deve à má oxigenação e à má qualidade do sono dessas pessoas.

"Para ter uma boa saúde geral, visite seu Médico Dentista regularmente"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Registre-se na 1000expert




Flag Counter