Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Veja o vídeo e Registre-se na 1000EXPERT



calendário

Março 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


Pesquisar

 



Links

Ministério da Saúde

Medicina Dentária no Moçambique

Blogs do Moçambique






IMPORTÂNCIA DO IONÔMERO DE VIDRO

Sábado, 05.11.11




Materiais de característica muito estética, como as resinas compostas e as cerâmicas, são muito valorizados. Este fato, sem dúvida, condiz com a necessidade dos tempos de hoje, mas é importante reconhecer que as características biológicas do cimento ionômero de vidro são também fundamentais.


O CIV teve seu auge nos anos 80, quando surgiu como um material restaurador revolucionário: adesivo e capaz de reduzir significativamente o risco de cárie secundária. Passada esta euforia inicial os clínicos começaram a se render novamente aos atrativos da resina e abandonaram os ionoméricos, sob a argumentação que este material deixava a desejar em três aspectos importantes: estética, resistência e praticidade na técnica de uso.


Atualmente contra-indicamos a aplicação do CIV para restaurações do tipo classe II e V, já que nestes casos a estética é primordial. Entretanto, ocorrem situações clínicas em que a liberação de flúor (para auxiliar na remineralização e diminuir a solubilidade de esmalte e dentina) e a ação antimicrobiana (para reduzir o risco de sensibilidade pós-operatória e também inibir cárie secundária ou recorrente) são propriedades importantes. Neste aspecto é que o CIV ganha relevância e pode ser aplicado em diversas situações, que podemos exemplificar:


1 - Forrador cavitário: Muito embora, atualmente, seja muito preconizada a técnica do ataque ácido total (hibridização), dispensando-se o uso de forradores, podem ocorrer momentos em que a proteção da parede de fundo pode ser considerado um procedimento de segurança. São as situações decorrentes de processo agudo de cárie penetrante, onde a dentina apresenta-se muito permeável. Nestes casos a colocação de uma base ionomérica permite uma ação biológica, sem comprometer a adesão, oferecendo mais vantagens que o cimento de hidróxido de cálcio, que deve ser indicado somente em cavidades com suspeita de micro-exposição pulpar.

2 - Selamento temporário de cavidades: Tanto na técnica do ART (que é utilizada em órgãos públicos) como na adequação do meio bucal (mais usada em clínica particular), o CIV é o material de primeira escolha, superando os tradicionais cimentos a base de óxido de zinco e eugenol, que são bons seladores, mas não liberam fluoretos.

3 - Selamento de fóssulas e fissuras: Muito embora os estudos indiquem um alto índice de deslocamento do CIV, quando utilizado para este fim, está provado que o simples fato dele permanecer por algum tempo na superfície oclusal, já é suficiente para tornar a região bem menos susceptível ao acometimento de cárie, já que resíduos ionoméricos, não-visíveis clinicamente, permanecem por tempo indeterminado no interior das fissuras, protegendo contra a instalação de cárie, diferentemente dos selantes tradicionais, que são mais resistentes ao deslocamento, mas quando este ocorre, o risco de cárie retorna praticamente aos níveis iniciais.

4 - Redução da hipersensibilidade cervical: A aplicação do CIV em uma área abrasionada ou decorrente de abfração pode reduzir bastante a hipersensibilidade, mesmo que o deslocamento venha a ocorrer a médio prazo. Neste caso, o CIV teria muito mais uma função terapêutica do que propriamente restauradora, e poderia ser reaplicado periodicamente até que a hipersensibilidade fosse eliminada, e então permitida uma restauração classe V de resina composta.

5 - Cimentação de próteses: Pacientes muito susceptíveis a cárie secundária na área radicular (como os idosos) devem ter suas restaurações cimentadas com um material de característica biológica, como o CIV, mas é importante esclarecer que os princípios de retenção friccional e, principalmente, de estabilidade devem ser respeitados, já que a característica adesiva do CIV não é suficiente para reter uma prótese.

Outras aplicações como cimentação de bandas, preenchimento de cavidades tipo túnel e uso geral em odontopediatria, são indicadas para o uso do CIV. Entretanto, como podemos concluir este material praticamente não é mais utilizado como um restaurador, no sentido pleno da palavra, e sim como um auxiliar importante, e com muita versatilidade.


Ao adquirir um produto, deve-se valorizar um produto que apresente facilidade de manipulação e presa mais rápida (de modo a agilizar o procedimento). É importante ressaltar que um ionomérico classificado como “restaurador” pode ser aplicado para todas as indicações relatadas acima, e apenas para cimentação devemos utilizar um específico para este fim.


Os híbridos resina/ionômero apresentam praticidade quanto ao uso e melhor estética, mas são mais caros e não contemplam a relação custo/benefício. Por este motivo não são essenciais, muito embora sejam a melhor opção para a utilização como forradores da resina composta

 

Ricardo Carvalhaes Fraga
Professor Adjunto-Doutor de Clínica Integrada – UFF

"Para ter uma boa saúde geral, visite seu Médico Dentista regularmente"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Registre-se na 1000expert




Flag Counter