Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Veja o vídeo e Registre-se na 1000EXPERT



calendário

Janeiro 2011

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031


Pesquisar

 



Links

Ministério da Saúde

Medicina Dentária no Moçambique

Blogs do Moçambique


subscrever feeds





Avaliação da OMS

Quarta-feira, 05.01.11

A Organização Mundial da Saúde (OMS) avaliou que houve um constante, porém frágil, progresso na saúde em todo o mundo no ano passado, sobretudo no que diz respeito aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Entre os destaques está a queda da mortalidade materna e infantil em crianças menores de 5 anos.

Em balanço publicado nesta terça-feira, 4, o órgão destacou ainda que a influenza A (H1N1) atingiu em 2010 um período classificado como pós-pandemia, com redução no número de casos e óbitos.

Outro avanço citado foi o anúncio de uma nova vacina contra a meningite, doença que mata mais de 450 milhões de pessoas apenas na África. O medicamento, de acordo com a OMS, é promissor por ser de baixo custo e eficaz no combate às infecções.

O órgão lembrou também que o ano de 2010 foi arrasado por tragédias naturais que dificultaram melhorias na saúde, como o terremoto no Haiti e as inundações no Paquistão.

"Para ter uma boa saúde geral, visite seu Médico Dentista regularmente"

Autoria e outros dados (tags, etc)

NOMA - Cancrum Oris

Quarta-feira, 05.01.11

 

O “Cancrum Oris” ou simplesmente NOMA é encontrado quase que exclusivamente em crianças desnutridas em países mais pobres. É uma gangrena viciosa e mortal que corrói a carne ao redor da boca e face, principalmente em miudos de até 6 anos. Estima-se que 70-90 % destes miudos morrem, mas para aqueles que sobrevivem , resta a trágica situação de passar o resto de seus dias com os rostos são tão desfigurado que são rejeitadas por suas sociedades. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que até 500 mil miudos são vítimas de NOMA na África. A maioria dos casos, o NOMA começa com úlceras nas gengivas. De lá, a doença se espalha, a boca fica dolorida, bochechas e lábios se tornam sensíveis e inchados. Isso faz com que o miudo tenha dores insuportáveis e dentro de poucos dias a carne facial começa a gangrenar. À medida que a gangrena destrói a carne (às vezes até os ossos) se forma uma crosta que eventualmente cai deixando imensos buracos no rosto. Nos bebês, geralmente, os lábios são totalmente destruídos, impedindo assim a criança sem lábios se alimente no seio materno. Depois da decomposição facial, 4 entre 5 crianças morreram se não chegarem a um hospital a tempo e como a maioria das vítimas vivem em extrema pobreza e em aldeias remotas, o tratamento médico não é uma consideração. Os poucos sobreviventes levarão uma desfiguração grotesco para o resto de suas vidas e a maioria jamais será capaz de comer ou falar normalmente. E o que mais choca nisso tudo é saber que esse mal devastador, pode ser prevenido apenas com uma alimentação saudável e higiene bucal.

 

As imagens que nossa equipa encontrou na net são maningue fortes por este motivo não as postamos.

"Para ter uma boa saúde geral, visite seu Médico Dentista regularmente"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Saúde Oral e pessoas com HIV

Quarta-feira, 05.01.11



 Os dentes estão totalmente formados na adolescência, e não são afetados diretamente pelo HIV ou medicamentos anti-HIV. Redução da densidade mineral óssea observado em pessoas com HIV não afeta o esmalte do dente (a superfície dura dos dentes expostos), e não se sabe o que afeta, se houver, que pode ter sobre o osso que suporta os dentes.

Nenhum tratamento de qualquer problema de saúde oral devem ser evitados simplesmente porque uma pessoa é HIV positivo. Relatórios no início da epidemia da AIDS sugere que procedimentos como canais radiculares que não deve ser realizado em pessoas com HIV. Também houve sugestões de que o tratamento odontológico deve ser adiado por qualquer pessoa com um CD4 contagem abaixo de 200 células / mm 3.  Embora estes relatórios eram imprecisas, o seu impacto continua a ser sentida, alguns livros com publicação recente data ainda contêm esses erros. Dentistas que seguem estas recomendações erradas fazê-lo em violação do Americans with Disabilities Act, e em violação das normas comunitárias aceite.

Todos os procedimentos e dispositivos - incluindo cirurgia periodontal, endodontia (canais), ortodontia (aparelhos e retentores), implantes, clareamento, e pontes - podem ser previstas com segurança e eficácia, independentemente do estado imunológico. As decisões sobre tais procedimentos devem ser feitas pelo indivíduo HIV positivo, em consulta com o dentista dele ou dela. Como sempre, deve-se pesar o custo eo tempo do serviço em relação aos benefícios esperados.

Fonte: HealthCentral

"Para ter uma boa saúde geral, visite seu Médico Dentista regularmente"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Como deve ser o tratamento odontológico do paciente HIV+?

Quarta-feira, 05.01.11

Os portadores de HIV necessitam, além dos cuidados médicos, de atendimento odontológico criterioso que abrange dois tipos de abordagem.

A primeira é o tratamento dentário tradicional, que visa eliminar as formas mais comuns de infecção bucal, que são a cárie e a doença periodontal, além da orientação para os cuidados de higiene bucal para a prevenção de novas infecções.

Este tipo de atendimento pode e deve ser realizado por todos os dentistas, segundo o código de ética odontológico, em nada diferindo do atendimento a ser prestado a outros pacientes. As normas de biossegurança são recomendadas para todos os pacientes e não são, de modo algum, exclusivos daqueles sabidamente portadores de alguma forma de infecção.

A outra forma de abordagem seria com relação às manifestações bucais que a infecção pelo HIV apresenta. Muitas vezes, essas alterações representam os primeiros sinais clínicos da doença, podendo alertar o dentista para a suspeita de infecção pelo HIV e um encaminhamento adequado do caso.

As lesões bucais mais comumente associadas são candidíase, leucoplasia pilosa, doença periodontal associada ao HIV, sarcoma de Kaposi, herpes e ulcerações atípicas, entre outras. O diagnóstico precoce de qualquer alteração bucal favorece um tratamento e recuperação melhor para o paciente.

Orientamos para prevenção: visitas periódicas ao dentista e a realização de auto-exames periódicos, em frente ao espelho, observando atentamente todas as partes dos tecidos bucais.

Sandra Torres
Estomatologista e professora da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal Fluminense (RJ)
 

"Para ter uma boa saúde geral, visite seu Médico Dentista regularmente"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Registre-se na 1000expert




Flag Counter